Nicole Rodrigues

Gerente de comunidades. Tradutora, criadora e curadora de conteúdo.

Aqui você encontrará conteúdo sobre linguística, tradução, localização e transcriação em português e inglês.
...............................................................................................

Community manager. Translator, content creator and curator.

Here you will find content about linguistics, translation, localization and transcreation in Brazilian Portuguese and English.
ENMe, lately (part 6)Back pain for spending hours on the computer!PT-BREu, ultimamente (parte 6)As dores na coluna por passar horas no computador!
Roubei o GIF da tradutorasemespaco

EN
Me, lately (part 6)
Back pain for spending hours on the computer!

PT-BR
Eu, ultimamente (parte 6)
As dores na coluna por passar horas no computador!

Roubei o GIF da tradutorasemespaco

Tão mimoso, tão mimoso que não aguentei e rebloguei.

(via oficinadepalavras)

4 livros para gerentes de comunidades online

Estou lendo o primeiro. Já comprei o segundo e o terceiro. Agora falta achar o quarto.

Escrever melhor

Esse também é bom. Bem mais técnico. Ótimas dicas para quem deseja aprender a escrever melhor.

Livrinho

Um livro pequenino, dourado e cheio de citações preciosas. Adoro citações.

Por onde anda o português?

Dados coletados pelo U.S. Census Bureau, o censo do governo norte-americano, indicam que entre 2006 e 2008 o português era a terceira língua mais falada nos estados Massachusetts depois do inglês e do espanhol. O mesmo acontece no estado de Rhode Island, que fica ao lado de Massachusetts, no nordeste do país.

A presença significativa da comunidade falante de língua portuguesa nos Estados Unidos é o tema da reportagem de capa da edição 106 da revista Língua, Em outras praias.

ENMe, lately (part 5)Stuck at work.PT-BREu, ultimamente (parte 5)Presa no trabalho.

EN
Me, lately (part 5)
Stuck at work.

PT-BR
Eu, ultimamente (parte 5)
Presa no trabalho.

Ocupados o tempo todo

A sensação de estar ocupado o tempo inteiro é uma epidemia social. Mas por que não ter tempo para nada se tornou um símbolo de status? Quais são as consequências mais profundas de viver uma rotina sobrecarregada?
Foi movida por questionamentos dessa natureza que a jornalista Brigid Schulte escreveu o livro “Overwhelmed: work, love and play when no one has the time” (em tradução livre, “Sobrecarregado: trabalhe, ame e se divirta quando ninguém tem tempo”), pela editora Sarah Crichton Books.
Casada, mãe de dois filhos e repórter no jornal The Washington Post há 15 anos, Schulte diz já ter sido pessoalmente afetada pela obsessão coletiva por trabalho.
No livro, que entrou para a lista dos mais vendidos do jornal The New York Times, ela discute o delicado equilíbrio entre carreira e lazer - e propõe formas de fazer as pazes com o tempo.

Leia mais aqui.
Fonte: Revista Exame.

Ocupados o tempo todo

A sensação de estar ocupado o tempo inteiro é uma epidemia social. Mas por que não ter tempo para nada se tornou um símbolo de status? Quais são as consequências mais profundas de viver uma rotina sobrecarregada?

Foi movida por questionamentos dessa natureza que a jornalista Brigid Schulte escreveu o livro “Overwhelmed: work, love and play when no one has the time” (em tradução livre, “Sobrecarregado: trabalhe, ame e se divirta quando ninguém tem tempo”), pela editora Sarah Crichton Books.

Casada, mãe de dois filhos e repórter no jornal The Washington Post há 15 anos, Schulte diz já ter sido pessoalmente afetada pela obsessão coletiva por trabalho.

No livro, que entrou para a lista dos mais vendidos do jornal The New York Times, ela discute o delicado equilíbrio entre carreira e lazer - e propõe formas de fazer as pazes com o tempo.

Leia mais aqui.

Fonte: Revista Exame.

Entrar no mundo: mundo é o mercado. O mercado mundial, onde se compram países. Nada de novo. A América Latina nasceu para obedecê-lo, quando o mercado mundial ainda não se chamava assim, e aos trancos e barrancos continuamos atados ao dever de obediência.
Esta triste rotina dos séculos começou com o ouro e a prata, e seguiu com o açúcar, o tabaco, o guano, o café, o petróleo… O que nos legaram esses esplendores? Nem herança nem bonança. Jardins transformados em desertos, campos abandonados, montanhas esburacadas águas estagnadas, longas caravanas de infelizes condenados à morte precoce e palácios vazios onde deambulam os fantasmas.
Agora é a vez da soja transgênica, dos falsos bosques, da celulose e do novo cardápio dos automóveis, que já não comem apenas petróleo ou gás, mas também milho e cana-de-açúcar de imensas plantações. Dar de comer aos carros é mais importante do que dar de comer às pessoas. E outra vez voltam as glórias efêmeras, que ao som de suas trombetas nos anunciam grandes desgraças.
 GALEANO, Eduardo. As Veias Abertas da América Latina. p.6, 2010.  (via jenny-g)

É triste, mas é verdade.

(via d-amargem)

Serendipidade

Estou lendo esse livro que, teoricamente, não tem nada a ver com o gerenciamento de comunidades online, mas logo nas primeiras páginas achei uma bela referência ao conceito de comunidade no trabalho. 

As 10 principais qualidades de um gerente de comunidades eficiente.

For many community managers, the job consists of managing multiple platforms, tracking feedback and then sharing this information with their employers. This work can be overbearing, but remaining organized can help professionals stay on top of their responsibilities. “I believe that community managers have to be able to multitask, and that means staying organized,” Likeable Media’s Kerpen noted. “It’s a very fast-paced job and there are a lot of things thrown at you at once — and you need to stay on top of it.
Dave Kerpen
(Source: Mashable)

Nessa maravilhosa TedTalk, Elizabeth Gilbert, autora de “Comer, rezar e amar” discorre sobre as coisas impossíveis que esperamos dos artistas e chamados gênios e compartilha a ideia de que, em vez de “sermos” gênios, todos nós “temos” um gênio da criatividade dentro de nós.

Uma palestra brilhante, leve e divertida.

Aprenda um novo idioma

Se você tem acesso à internet, já não vale a desculpa de que está sem grana para pagar por aulas de outro idioma. Lógico que ter aulas de uma língua estrangeira com um professor é sempre a melhor opção, mas você pode também aprender sozinho. Com uma boa pesquisa, dá para descobrir sites que ensinam gramática, ortografia, interpretação de texto, expressões idiomáticas e dão dicas de como se aprofundar em outra língua.

É importante saber qualquer língua além do português para se destacar no mercado de trabalho, lógico, mas isso também deixa seu cérebro mais esperto, mais treinado. Já pensou que bacana ouvir aquela música em inglês, francês, espanhol, ou qualquer que seja a língua, e entender o que ela diz? Você pode até aprender alguns idiomas fictícios, se quiser!

Fonte: Livros e pessoas